Embraer 110 Bandeirante do Governo do Amapá de volta ao Estado

Retornou à Macapá nesta quinta feira (30) o Embraer 110P1 Bandeirante, de matrícula PP-EIX, do Governo do Amapá. A aeronave estava há seis meses em Uberlândia-MG, onde passou por revisões e pela Inspeção Anual de Manutenção (IAM), visando continuar a atender as demandas do Estado do Amapá, sejam governamentais, humanitárias e até mesmo emergenciais. Com novo visual, agora com linhas verdes, amarelas e azuis, as cores da bandeira do Amapá, o avião foi transladado de Uberlândia, com escala em Palmas-TO.



Com capacidade para 12 pessoas e autonomia para 5 horas e 30 minutos de voo, o PP-EIX é uma ferramenta estratégica para o Estado, auxiliando autoridades e pessoal em serviço público em deslocamentos de pequeno e médio porte, podendo voar sem escalas para cidades como Oiapoque, Belém e Santarém, no Pará, São Luís-MA, Palmas-TO e Manaus-AM, permitindo viagens mais rápidas e diminuindo os custos por passageiro em relação aos voos comerciais
#########TEXTO UZ7 SPOTTING - NÃO COMPARTILHAR SEM OS CRÉDITOS ##########
Em se tratando de Bandeirante, o Embraer 110 na versão P1, como o EIX, permite a rápida conversão da aeronave para transporte de carga ou passageiros conforme a necessidade de uso, podendo ser configurado para alta densidade de passageiros ou mesmo priorizando-se o transporte de cargas, em detrimento de assentos.

Além disso, a aeronave  é homologada para transporte de enfermos, podendo ser configurada para trasportar pacientes em quatro macas, além dos acompanhantes. Há estudos do Governo quanto a possibilidade do EIX ser utilizado em transporte de pacientes com câncer para fazer quimioterapia até Belém-PA, com possibilidade de ida e volta no mesmo dia, reduzindo os custos do Estado com Tratamentos Fora de Domicílio (TFD) e dando mais qualidade de vida aos pacientes, uma vez que não precisariam ficar por meses longe da capital amapaense.

Essas características se mostram ideais para a operação na região amazônica, uma vez que muitas cidades do interior do Amapá e do Norte do Brasil tem pistas curtas, onde o Bandeirante pode operar sem grandes restrições, tornando-o um dos ícones de desenvolvimento por via aérea na Amazônia nas décadas de 70 e 80.

HISTÓRIA E CURIOSIDADES

Fabricado no ano de 1989, sendo o penúltimo Bandeirante construído, foi matriculado inicialmente como PT-SHW, com serial 110468, o PP-EIX foi entregue no mesmo ano para o Governo do Ex-Território do Amapá, vindo a se somar ao PT-FDL que já integrava a frota do ex-Território desde o início dos anos 80, tendo esse sendo utilizado até o início dos anos 2000.

>>>> ACESSE NOSSO CANAL NO YOUTUBE

Durante os anos 2000, o EIX ficou bastante tempo fora do Estado, tendo retornado no final de 2012, em perfeito estado de conservação. Na revisão que sofreu antes de seu retorno em 2012, por ocasião da implementação do sistema de navegação por satélite EGPWS, ganhou adesivagem com a palavra "Experimental" até a aprovação do sistema, quando a palavra foi retirada.
PP-EIX e seu "irmão mais velho", o PT-FDL
Desde que chegou ao Amapá em 1989, a aeronave ostentava linhas em diferentes tons de vermelho no charuto branco, recebendo em 2019 novas cores, que remetem a bandeira do Estado do Amapá.
Antiga pintura vermelha do PP-EIX
Apesar de deus 30 anos, o PP-EIX, batizado de "Oiapoque", é extremamente bem conservado, tem largas poltronas em couro marrom, com configuração executiva, mesas para trabalho e refeições e dispõe de banheiro à bordo. Além disso, é o Bandeirante menos voado do mundo, com cerca de apenas 4 mil horas de voo. Já seus motores Pratt & Whitney Canada PT6, com potência de 750 SHP tem apenas 150 horas e voo cada após revisão de 4 mil horas, podendo voar ainda mais 3.850 horas.

Veja a galeria de fotos e confira um vídeo exclusivo mostrando detalhes da aeronave:






























0 comentários :

Postar um comentário